UMA LISTA INFINITA DE BESTEIRAS DITAS POR BOLSONARO

Imagem: Folha / UOL
Gostou? Compartilhe!
  • 274
    Shares

Em entrevista ao Roda Viva, candidato afirma que portugueses nunca pisaram na África. O candidato também ignora o Golpe de 64.

Foi com  frases de efeito como “eram os próprios negros que entregavam os escravos” e “que dívida é essa, meu Deus do céu. Um negro não é melhor do que eu, nem eu sou melhor do que ele. Por que cotas?” que Bolsonaro chamou atenção da mídia brasileira nesta segunda-feira (30/7).

Dentre outros malabarismos históricos, Bolsonaro voltou a defender Carlos Alberto Brilhante Ustra, ex-chefe do Doi-Codi do Segundo Exército (1970-74), órgão de repressão e de tortura entre 1964 e 1985. Ustra foi o primeiro militar condenado por tortura. “Se tivéssemos perdido, hoje o Brasil seria uma Cuba”, repetiu o bordão da direita brasileira para justificar o indefensável.

Bolsonaro ainda desconversou sobre os arquivos da ditadura militar, citando a Lei da Anistia. Quando perguntado sobre a declaração em que clama peloo fuzilamento de Fernando Henrique Cardoso, em plenário, Bolsonaro afirmou que gozava de imunidade parlamentar para fazer o discurso que quisesse. O jurista José Gregori, que fez a pergunta, eventualmente já foi vítima da ira de Bolsonaro. Apesar disso, o presidenciável negou ter sugerido o fuzilamento de Gregori, por não se tratar de alguém importante e, portanto, não “merecer” sua atenção.

O candidato ainda disse que “não importa não dominar nenhuma proposta para as áreas de economia, de educação, de saúde, de ciência e tecnologia.” Diz ele que tem especialistas para isso.

https://www.em.com.br/app/noticia/politica/2018/07/31/interna_politica,976795/bolsonaro-ignora-escravidao-e-golpe.shtml


Gostou? Compartilhe!
  • 274
    Shares