PCdoB e PSB não mostram querer apoiar Lula, diz deputado

Gostou? Compartilhe!

Nas última semanas, o Partido dos Trabalhadores (PT), vem lutado desesperadamente para fechar alianças e evitar um isolamento eleitoral. Porém, a empreitada não tem sido fácil. Segundo fontes petistas, não existiria uma disposição de partidos como PCdoB e PSB em embarcar numa aventura de tentar fazer a válida a candidatura de Lula.

O ex-presidente está preso a 100 dias e condenado em 2ª instância por órgão colegiado, portanto, inelegível segundo a lei de Ficha Limpa. Existe um temor no partido, que figuras, como Ciro Gomes(PDT), consigam roubar o protagonismo de Lula dentro do campo progressista.

Com informações UOL

Da prisão, em Curitiba, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado na Operação Lava Jato, ainda não percebeu uma disposição real de PCdoB e PSB em compor uma aliança com o PT no primeiro turno das eleições 2018.

A versão é do deputado Wadih Damous (PT-RJ), que esteve com Lula nesta segunda-feira (23). “Ele está esperando uma definição mais nítida do PCdoB e do PSB. Ele não percebeu até agora uma disposição mais nítida desses partidos em compor uma aliança. Ele ainda quer uma frente de partidos de esquerda, mas, ainda que ela não se configure, ele é candidato”, disse Damous ao Estadão/Broadcast.

Mesmo preso e condenado em segunda instância no caso do tríplex do Guarujá (SP), Lula deve ser oficializado como candidato ao Planalto no dia 4 de agosto, em encontro nacional do PT na capital paulista. O partido organiza um evento com a militância para registrar a candidatura do ex-presidente no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), em Brasília, no dia 15 de agosto.

Lula lidera as principais pesquisas de intenções de voto para o pleito de outubro. Nesta semana, o PT faz novas investidas na direção de PCdoB, PROS e PSB para uma aliança em torno da candidatura à Presidência. Se não houver acordos, mesmo com chapa pura, o PT “vai, sem sombra de dúvida” para a disputa, destacou Damous.


Gostou? Compartilhe!