Press "Enter" to skip to content

DEMANDA POR CARVÃO E PETRÓLEO VAI AUMENTAR

Gostou? Compartilhe!

Com informações Monitor Digital

Energias alternativas não darão conta da necessidade de 3 bilhões de pessoas

A energia dita como “limpa” não será suficiente para suprir nem 30% das demandas atuais somadas às potenciais. Carvão e petróleo (óleo e gás), tidos hoje como os mais poluentes, terão procura ainda maior que a atual, analisa o geólogo Luciano Seixas Chagas, que atuou por mais de 30 anos na Petrobras.

O profissional questiona estudo apresentado pela Shell do Brasil sobre mudanças na matriz energética global até 2070. Hoje, petróleo, gás natural e carvão concentram, juntos, 81% da geração energia no mundo (32%, 22% e 27%, respectivamente).

Em 52 anos, esse número cairá para 22% (10%, 6% e 6%, na mesma sequência), enquanto a energia solar sairá de 1% para 32% de representatividade na matriz, segundo matéria do site Petronotícias. A Shell aponta que o carvão teve o seu pico de demanda em 2014, enquanto o ápice do petróleo será em 2025, e o do gás natural, em 2030.

Depois, o destaque da transição energética seria a ascensão das energias solar, eólica, nuclear e de biomassa, que passariam a representar em 2070, respectivamente, 32%, 13%, 11% e 14% – hoje, esses números são de 1%, 1%, 5% e 9%.

Chagas lembra que restam quase 3 bilhões dos habitantes pobres da terra, na África, América do Sul e principalmente a populosa Ásia, que nem sequer usam a energia elétrica. “Falta explicar como se dará a produção incremental de 31%, 12%, 6% e 5% para as energias solar, eólica, nuclear e biomassa, respectivamente”, indaga ponderando também sobre o tempo necessário para a implantação.

O geólogo ensina que o Brasil deve incentivar investimentos internos e externos em energia eólica e solar, utilizando as vantagens comparativas de nosso território. Assim, considera Seixas, nos sobrará mais petróleo, energia que é exportável para os países consumidores, e que pode ser vendida na forma de produtos transformados no nossos parques de refino e industrial.


Gostou? Compartilhe!

Be First to Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *