Press "Enter" to skip to content

O que é firehosing e como a Família Bolsonaro se aproveita disso

Gostou? Compartilhe!

Com informações Vice

O volume massivo de fake news causou um estrago absurdo no primeiro turno e poderá influenciar o andar da carruagem no segundo.

Por mais absurdo que pareça, há quem acredite que algumas escolas públicas distribuíram mamadeiras com bicos em formato de pênis – quem foi o psicopata que inventou isso? –, que as fotos das manifestações #EleNão, ocorridas em 26 de setembro, eram do carnaval de 2017, que há uma doutrinação sobre ideologia de gênero e a existência do kit gay nas escolas.

Por outro lado, volta e meia pinta alguém para dizer que quem desmente estas mentiras deslavadas está disseminando fake news e que toda a imprensa, inclusive agências de checagem e a VICE, faz parte do movimento globalista e é financiada por George Soros (não fode, gente). Claro, vai brotar alguém das profundezas para dizer que esta reportagem é uma obra de ficção científica.

Com certeza, em algum momento nos últimos dias, você se deu conta de que alguém próximo foi bombardeado por uma porrada de memes e textos que pareciam notícias, mas tudo era mais falso do que nota de R$ 3 e do que o restaurante londrino mais bem avaliado na TripAdvisor, mas que não existia. O volume do chorume político, em grande parte proporcionado graças a figuras ligadas a Jair Bolsonaro (PSL), candidato à presidência do Brasil, e aos filhos do político, era tão absurdo, mas tão absurdo, que parecia ter saído de uma mangueira de bombeiro.

Aliás, a analogia com o fluxo de uma mangueira de incêndio é o ponto de partida para descrever a tática firehosing – derivada de firehose, que significa “mangueira de incêndio”. O nome, especificado no artigo The Russian “Firehose of Falsehood” Propaganda Model – algo como O Modelo de Propaganda Russa “Mangueira de Incêndio da Falsidade”, lançado em 2016, remete ao modelo russo contemporâneo de propaganda, pois contém grande quantidade de canais para disseminar mensagens e não tem pudor nenhum em fazê-lo com informações distorcidas e mentiras descaradas. Em resumo: o fluxo de mentiras rola de modo contínuo e intenso, tal qual uma mangueira de incêndio (!).

Contudo, apesar de o termo ser novo, a tática em si não é nova – já foi chamada de marketing de guerrilha em outro momento, por exemplo, uma vez que alguns feras já infestaram as redes sociais com notícias falsas desde os tempos mais primórdios. Mas outros caras conseguiram dar um jeito de aumentar o teor tóxico no ambiente online. “A novidade consiste na velocidade e no volume com os quais isto é colocado. Por isso se trata do efeito de ‘mangueira de bombeiro’, que vem em volume tão gigantesco que não dá nem para desviar”, explica Luiz Yassuda, diretor da agência de comunicação Alma Beta e produtor dos podcasts Braincast e Mupoca.

Apesar de se dizer vítima de fake news por qualquer motivo, o que vai desde declarações homofóbicas a dados sobre o Brasil dignos de psicodelia argumentativa, o fato é que Jair Bolsonaro e parceiros políticos criam factoides e reproduzem acontecimentos que são, no mínimo, questionáveis em inúmeros aspectos.

Após a apuração de votos do primeiro turno, Bolsonaro-pai fez uma live no Facebook e ignorou a imprensa para colocar em dúvida o funcionamento das urnas eletrônicas – esse fato foi prontamente rebatido. Ainda, há algumas semanas, Eduardo Bolsonaro inventou uma mentira sobre o grupo Mulheres Contra Bolsonaro, no Facebook, e fez outro post para enaltecer o grupo Mulheres Com Bolsonaro; todavia, essa era a mesma comunidade contrária ao pré-candidato à presidência, que havia sido hackeada anteriormente. Isso sem contar que há uma máquina de fake news, operando com firehosing (é claro!), em favor do clã Bolsonaro.

E, por mais que um lado tenha se tornado notório em mentir mais do que Jim Carrey em O Mentiroso, o outro lado tem também derrapado, ainda que em proporção bem menor quando comparações são feitas – o que, de acordo com Yassuda, pode ser observado no comportamento de eleitores. “O seguidores começam a, rapidamente, chamar tudo o que sai contra determinado candidato de fake news. É até um sinal dos tempos que a verdade e os fatos sejam versões a serem contadas. De qualquer maneira, seja para um lado ou outro, [fake news] influenciam uma eleição.”

Donald Trump, Brexit e o clã Bolsonaro que o digam.

Tutorial do chorume

Além do volume incessante de conteúdo, o firehosing consiste em transmiti-lo de modo contínuo e repetitivo, tem comprometimento nulo com a realidade e consistência quase inexistente. É como se mentiras inundassem o que estivesse ao redor e fizesse quem as recebe colocar a realidade em dúvida. É como se Joseph Goebbels, ministro da Propaganda na Alemanha nazista e criador da ideia errada “uma mentira contada mil vezes torna-se verdade”, tivesse voltado das profundezas do inferno e criado uma porrada de robôs nas redes sociais e no WhatsApp para espalhar fake news.

Chega a ser consequência pensar que o firehosing rolou solto nos EUA durante as eleições presidenciais que culminaram na vitória de Donald Trump e que está sem freio no Brasil faz algum tempo. A larga escala de mentiras espalhadas sobre grupos identitários e memes alarmantes sobre a zona que o Brasil se tornou (risos), em particular, não deixa mentir.

“É óbvio que há fortíssima influência deste tipo de notícia e, obviamente, a gente tem de questionar por que isso deu tão certo. Quando a gente observa essa tática funcionando em outros lugares no mundo, como no caso das Filipinas, com Rodrigo Duterte [presidente das Filipinas] e como no caso de Trump, que se tornou o mais icônico, a gente vê que se uma parcela das pessoas estiver suscetível a receber apenas notícias de determinado viés ou grupo, ela formará opinião. Isso acontecerá mesmo que, por exemplo, o jornal ou a televisão digam outra coisa, pois a notícia está sendo bombardeada o tempo todo, de tudo quanto é lado na internet, por um determinado viés”, pontua Yassuda.

Diante deste cenário medonho, a imprensa fica na berlinda. Primeiro, os criadores e disseminadores de fake news via firehosing o fazem sem limites e peso na consciência, fosse o conteúdo passível de ser verídico em determinado cenário, mas não existisse de fato, ou fosse algo absurdo. Em seguida, uma quantidade menor de veículos jornalísticos aborda esse material, mas com fatos para comprovar que se trata de mentira descarada. E, no caso do Brasil, em particular quando o assunto é o WhatsApp, cerca de 120 milhões de pessoas usam o aplicativo e 66% consomem notícias lá.

“Você tem um grande volume de sites falando de determinada notícia, enquanto há poucos sites para contestá-la, e é muito fácil encontrar uma série de notícias que se refiram ao caso fake em uma busca no Google. Isso cria um ar de verdade, pois as pessoas não vão a fundo para pesquisar. Isso é feito por estudiosos ou interessados, mas o grosso da população para na página 2 de pesquisa – ‘se está no Google e há dois sites falando disso, é verdade’. Isso coloca o trabalho da imprensa em xeque, pois uma vez que você fizer uma notícia desmentindo o que outros 10 ou 20 sites dizem, talvez você passe por mentiroso. Isso, obviamente, afeta a percepção que as pessoas têm de realidade”, ressalta Yassuda.

Quem também se vê numa roubada das grandes é o alvo da série de mentiras. Imagine alguém inventar uma história mais surreal do que a série Maniac sobre você e como será o trampo necessário para desmenti-la. Agora, pense nessa mesma inverdade, mas difundida de modo massivo e contínuo. Você perderá um tempo absurdo para tentar trazer a verdade à tona e não terá condições de fazer outras coisas que, em qualquer outro contexto, seriam mais importantes.

Este cenário torna-se ainda mais dramático quando se leva em conta que a ausência de confronto entre o que é fato e o que é mentira. No caso do Brasil, Bolsonaro ainda está em recuperação do atentado sofrido em 6 de setembro, mas tem se mostrado escorregadio demais quando se fala em debate político. Esse fato tem contribuído para a construção da narrativa única, o que negligencia à população ter o direito ao contraditório.

“A pessoa que sofre esse tipo de ataque é colocada em posição frágil. A questão maior é a seguinte: quanto mais ataques você recebe, mais tempo você precisa gastar para explicar que você é alvo de campanha de difamação e sobra menos tempo para apresentar propostas ou contestar informações dadas pelo outro político. Um determinado político pode inventar ou disseminar inverdades, enquanto o outro lado ficará apenas a se justificar e terá pouco tempo para, de fato, explicar propostas”, destaca Luiz Yassuda.

Como desligar a mangueira?

Algumas possibilidades apontadas no artigo The Russian “Firehose of Falsehood” Propaganda Model apontam para medidas como punições e multas para adeptos da prática, contra-atacar os objetivos da mentira contada ou trazer a atenção do público para conteúdos relevantes e verídicos – e em larga escala – mostram como combater o famigerado firehosing. Contudo, essas são apenas possibilidades, uma vez que o conceito da tática é recente e o antídoto ainda não foi descoberto de modo efetivo.

“Será necessário tempo de estudo científico em médio e longo prazos, pois não fazemos a mínima ideia de onde está se metendo. Temos uma vaga ideia dos anos que temos de redes sociais, sobre outros temas igualmente debatidos e correlacionados, como o filter bubble , que é o fenômeno em que a gente se cerca apenas de quem pensa como a gente e concorda conosco nas redes sociais. Isso acaba ocasionando espaços para certos discursos e de bloqueio para outros”, detalha Yassuda, referindo-se ao que conhecemos em bom português como “bolha”.

Por ora, o estrago foi feito no primeiro turno das eleições e tende a ser refletido na fase seguinte. E, como não há soluções simples, as medidas necessárias para o futuro são estudar o fenômeno firehosing a fundo e até mesmo promover medidas para pessoas confrontarem ideias em vez de notícias falsas. Um possível exemplo é o adotado na Finlândia, que tem medidas sérias de combate às fake news e promove iniciativas do tipo desde a escola. Mas o futuro não é dos mais animadores.

“Acredito que, no futuro, a gente precisará olhar com muito carinho para o que está acontecendo, incluindo países que estão sofrendo das mesmas coisas. [Pode-se] pensar em marcos regulatórios e em um tipo de regulamentação das empresas que prestam serviços de redes sociais, como Facebook, Google e Twitter, para esse mal ser atenuado”, finaliza Yassuda.


Gostou? Compartilhe!

Be First to Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *