EMPRESÁRIOS E MERCADO INICIARAM AS COBRANÇAS DO FUTURO GOVERNO BOLSONARO

Bolsa de Valores
Gostou? Compartilhe!

Com informações Monitor Digital

Bolsa tem giro recorde mas fecha em baixa de mais de 2%

Reformas estruturais, redução da burocracia e crédito mais barato. Estas são algumas das principais reivindicações feitas pelas entidades empresariais ao presidente eleito, Jair Bolsonaro. “O novo governo precisa encaminhar uma reforma tributária que simplifique o sistema, desonere os investimentos e as exportações, eliminando as distorções e a cumulatividade de impostos, bem como buscando a unificação dos tributos por meio da criação do Imposto sobre Valor Agregado (IVA)”, sugeriu o presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Braga de Andrade.

Em nota, a seção paulista da Associação Brasileira da Indústria Gráfica (Abrigraf-SP) pediu “clareza na definição das prioridades e diretrizes da política econômica do novo governo”, além de redução da burocracia e diminuição de gastos públicos.

A Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), em nota assinada por seu presidente, José César da Costa, destacou que “é preciso, urgentemente, reduzir a burocracia e simplificar os processos que envolvem abertura, funcionamento e inovação das empresas. Além do mais, é fundamental avançar no desenvolvimento de políticas relacionadas à segurança pública, à infraestrutura e ao acesso a crédito privilegiando os empreendedores e, consequentemente, toda a sociedade brasileira”.

O mercado financeiro reforçou a pressão. Após seguidas altas, em apoio ao então candidato, o Ibovespa fechou com queda de 2,24%, aos 83.796 pontos. O volume financeiro chamou atenção, ficando em R$ 24,02 bilhões, bastante acima da média diária de outubro, de R$ 16,37 bilhões.

O giro recorde – considerando pregões sem exercício de opções – é de R$ 28,97 bilhões e foi registrado no último dia 8, após o primeiro turno da eleição. O contrato de dólar futuro com vencimento em novembro teve alta de 1,80%, a R$ 3,709, enquanto o dólar comercial subiu 1,39%, cotado a R$ 3,7053 na venda.


Gostou? Compartilhe!