Alerta: Brasil tem quase 700 Barragens de Alto Risco

Gostou? Compartilhe!

Com informações Monitor Digital

Acidente em Brumadinho derruba Vale na Bolsa de Nova York.

A Confederação Nacional de Municípios (CNM) disse nesta sexta-feira que há 14 barragens de alto risco com altos danos associados, cujo uso é de rejeitos de mineração. O levantamento estava na lista de publicações da entidade a serem divulgadas nos próximos dias e foi precipitada pelo rompimento da barragem da Vale em Brumadinho (MG).

Em todo Brasil, são 695 barragens cadastradas que apresentam categoria de alto risco, associado com danos em potencial, ou seja, todas correm riscos de sofrer algum tipo de ruptura, que podem ocasionar danos ambientais, humanos, financeiros e materiais, distribuídas por quantidade e por tipo.


A pesquisa aponta que existem 22.920 barragens registradas e catalogadas no país (dados de 2016). Mas a maioria – 18.551 barragens – estão sem qualquer informação sobre os riscos e danos potenciais que o rompimento pode causar. Levantamento mais recente, de 2017, elevou a contagem de barragens catalogadas para 24.080. Os dados foram extraídos do Sistema Nacional de Informações sobre Segurança de Barragens (Snisb), criado em 2010.


O rompimento da barragem em Brumadinho repercutiu nas ações da Vale na Bolsa de Nova York (Nyse). Os papéis lideraram as negociações nesta sexta-feira, com movimentação de US$ 157 milhões, sete vezes mais que a média dos últimos seis meses.


As ações tiveram a quarta maior queda entre os títulos negociados na Nyse, com perda de 8,08%, para US$ 13,60. O valor de mercado da Vale caiu para US$ 70,7 bilhões, perda de US$ 6 bilhões em relação a quinta-feira. A Bolsa de São Paulo não funcionou devido ao feriado de fundação da cidade. Analistas acreditam que a B3 (antiga Bovespa) iniciará a semana com instabilidade.


De acordo com o Corpo de Bombeiros de Minas Gerais, o rejeito que vazou da Mina Córrego do Feijão atingiu o Rio Paraopeba às 15h50. A lama pode alcançar o rio São Francisco se nada for feito, alerta o membro da coordenação Nacional do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), Joceli Jaison Andrioli.


Gostou? Compartilhe!