Ministro da Educação do Bolsonaro Recua e garante que Universidades Públicas não serão privatizadas

Jair Bolsonaro e Ricardo Vélez Rodríguez
Gostou? Compartilhe!

Com informações Monitor Digital

Instituições públicas se destacam pela qualidade de ensino.

“As universidades públicas são patrimônio da Nação. Não serão privatizadas”, prometeu o ministro da Educação, Ricardo Vélez, em mensagem no Twitter. Ele complementou: “Mas serão geridas com total transparência, a fim de que os brasileiros saibam, tintim por tintim, como é utilizado o suado dinheiro que sustenta essas instituições.”


De acordo com o Censo da Educação Superior, o país tem hoje 2.448 instituições de ensino superior. Dessas, 296 são públicas e 63 são universidades federais, ligadas diretamente ao MEC. As públicas concentram mais de 2 milhões de matrículas, 24,7% do total dos universitários do país.


As instituições públicas se destacam pela qualidade de ensino. Entre as 20 melhores universidades da América Latina (ranking QS 2019), sete são brasileiras. Destas, seis públicas e uma privada católica (PUC Rio). A USP é a segunda colocada, e a Unicamp, a terceira.


A privatização vinha defendida por setores da área econômica do governo, mas o Ministério da Educação (MEC) ainda não havia se pronunciado oficialmente sobre a questão.


Pelo Plano Nacional de Educação (PNE), a lei que estipula metas para melhorar a qualidade da educação brasileira até 2024, o Brasil deve incluir um terço, ou seja, 33% da população de 18 a 24 anos no ensino superior até o fim da vigência da lei. Atualmente, essa porcentagem é cerca de 23%, considerando também os que já se formaram.


Já a taxa bruta de matrícula, ou seja, total de estudantes matriculados, independentemente da idade, deve ser equivalente a metade da população total de 18 a 24 anos. Essa porcentagem é cerca de 35%.


Gostou? Compartilhe!