Chamado de “nazista” por Ciro, Holiday recua e muda projeto sobre aborto

Gostou? Compartilhe!

O vereador paulistano Fernando Holiday (DEM) decidiu alterar o projeto apresentado por ele que previa a possibilidade de internação para mulheres propensas a fazer aborto. “Em nenhum momento minha intenção foi aumentar o sofrimento da mulher”, disse.

No substitutivo ele vai retirar a necessidade de alvará judicial para aborto em caso de estupro, substituindo por um boletim de ocorrência (não necessário em caso de fetos anencéfalos nem de risco de vida para a mãe). Ele também vai retirar a obrigatoriedade de passar por atendimento psicológico, ouvir os sinais vitais do feto e ouvir as explicações sobre o aborto.

A prefeitura teria de disponibilizar esses serviços para quem quiser usar. “No caso da internação, a maneira como está escrita deixa a hipótese muito abrangente. Nesse caso, vamos especificar para dependentes físicas, para que ela possa se desintoxicar e só então decidir fazer ou não o aborto. Mas só em casos muito específicos”, disse ele. O projeto causou enorme controvérsia e levou até aliados do vereador, ligado ao MBL, a aconselharem que ele revisse seu teor.

Ciro chama Holiday de ‘capitãozinho-do-mato nazista’
O candidato  à Presidência na eleição de 2018 Ciro Gomes (PDT) voltou a chamar o vereador de São Paulo Fernando Holiday (DEM) de “capitão do mato”. A declaração foi feita em entrevista ao programa Morning Show, da rádio Jovem Pan de São Paulo. O apresentador Caio Copolla indagou o ex-ministro sobre o processo que o coordenador do MBL moveu contra ele pelo mesmo insulto no ano passado. 

Ciro manteve a afirmação e criticou ainda o projeto de lei de para que mulheres grávidas sejam encaminhadas à internação psiquiátrica caso seja constatado que elas possuam “propensão ao abortamento ilegal”.

Ciro afirmou que o tal projeto atingiria principalmente mulheres jovens  e pobres, enquanto que mulheres com condições financeiras continuariam a fazer os abortos em clinicas ilegais. Tal prática seria analogicamente parecida com práticas higienistas nazistas.  “Eu estou querendo dizer para as mulheres brasileiras de São Paulo que esse cidadão está fazendo um projeto de lei que vai capturar uma filha do pobre e obrigá-la a ser homiziada em um hospício e ter tratamento religioso compulsório. O nome disso é nazismo! Ele é um capitão-do-mato nazista. Simples assim, que venham os processos”, disparou Ciro

O vereador disse por meio do Twitter que irá acioná-lo judicialmente. 

Com informações Jovem Pan e Estadão

Gostou? Compartilhe!