De volta aos anos 90: Saída de capital externo da bolsa neste ano já é a maior desde 1996

Gostou? Compartilhe!

O fluxo de recursos estrangeiros na bolsa de valores caminha para atingir a pior posição no acumulado do ano desde 1996, quando foi iniciada a série mensal da consultoria B3. Ou seja, o volume de saques da bolsa já supera, inclusive, o observado em igual período de 2008, ano da crise financeira global.

No acumulado de 2019 até 15 de agosto, dado mais recente, o fluxo de recursos estrangeiros na B3 – compras menos vendas de ações – está negativo em R$ 19,16 bilhões. É uma retirada já superior àquela registrada de janeiro a agosto de 2008, quando essa classe de investidores sacou R$ 16,53 bilhões.

As saídas neste ano vêm ocorrendo sucessivamente desde maio, com piora do ambiente internacional. Além do recrudescimento das tensões comerciais entre China e Estados Unidos, o mundo passou a conviver, mais recentemente, com maior medo de uma recessão global, depois de sucessivos indicadores fracos na Europa e na Ásia.

Nesse ambiente, quem ainda está sustentando a valorização do Ibovespa no ano, de 13,18%, até esta segunda-feira, são os investidores locais, entre
fundos institucionais e pessoas físicas. No acumulado de 2019, também até o dia 15 de agosto, os investidores institucionais estão com fluxo positivo de recursos no montante de R$ 16,9 bilhões; a pessoa física está alocada com R$ 8,9 bilhões. Todos os dados são da consultoria B3.

“Com o juro baixo, existe uma perspectiva de continuidade da migração dos investidores locais para a renda variável e isso pode coexistir com as saídas líquidas do estrangeiro”, afirma Raphael Guimarães, operador da mesa renda variável da RJ Investimentos.

Com informações: Valor Econômico


Gostou? Compartilhe!