Fuga de Capitais – Presidente Inapto ou inicio de uma Crise Financeira Mundial ?

Gostou? Compartilhe!

Os investidores globais, por conhecerem menos os países emergentes, e saberem que eles sempre têm uma série de fraquezas na sua economia, acabam por simplesmente reduzir as suas alocações nesse tipo de ativo.

Os emergentes, além de possuírem menos liquidez – que em momentos de crise provocam maior queda nos preços dos ativos quando todos decidem sair – têm maior probabilidade de entrarem em uma crise interna, seja por desvalorização da moeda, aumento da dívida, aumento da inflação, ou qualquer outro problema estrutural que carreguem.

Por isso que, em um momento de crise, a moeda dos emergentes se desvaloriza, enquanto a dos países desenvolvidos se valoriza. Pois o fluxo de investimentos sai dos emergentes e volta para as matrizes exportadoras de investimento.

A consequência para os países emergentes é a desvalorização da moeda e queda no preços de seus ativos como a Bolsa. Que é exatamente o que estamos vendo por aqui. O Ibovespa já caiu 5 por cento nos últimos dias, e o real já se desvalorizou 10 por cento.

Dependendo do país, a desvalorização cambial pode aumentar muito o risco de aumento da inflação, obrigando o BC a subir juros. Sabendo disso, o mercado antecipa o movimento, puxando os juros futuros para cima.

Isso não vem acontecendo no Brasil, pois nossa economia anda muito fraca e o repasse cambial não tem sido alto. Além disso, temos mais reservas cambiais do que dívida externa, o que faz com que nossas dívidas caiam durante uma desvalorização.

Mas, certamente, o Banco Central e o mercado estão bem de olho no movimento do câmbio.

Com informações Investing


Gostou? Compartilhe!