Senado Brasileiro investigará ‘Ata Secreta’ de Itaipu e favorecimento de empresa ligada ao PSL

Gostou? Compartilhe!

O Senado Federal criou uma subcomissão temporária para investigar supostos vínculos do presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, com a empresa LEROS, em meio à polêmica da ‘ata secreta’ de Itaipu.

A comissão é composta por três membros titulares e três suplentes que farão um relatório completo sobre “tentativas de favorecimento ilegal” à uma empresa brasileira LEROS na negociação entre Brasil e Paraguai sobre Itaipu.

O relatório da subcomissão deve ser publicado em 60 dias. O requerimento para a comissão foi feito pelo senador Jaques Wagner (PT-BA). De acordo com o documento:

“A imprensa do Paraguai divulgou, com base em mensagens trocadas por autoridades paraguaias, que teria havido tentativa de favorecimento ilegal a uma empresa brasileira que atua na área de energia, a Leros,à qual fora prometida a venda de energia excedente do Paraguai no mercado livre de energia do Brasil a preços e condições imbatíveis”

O texto também chama de “inexplicável” o sigilo adotado nas negociações da ata, além de ponderar sobre riscos à soberania brasileira.

A ata com valores que determinavam como funcionaria o comércio de energia entre os países atendendo a anseios brasileiros foi negociada de forma secreta, o que foi revelado no dia 24 de julho. Com a instauração de uma crise política no Paraguai e a ameaça de impeachment contra o presidente Mario Abdo Benítez, a ata foi suspensa no início de agosto.

No entanto, denúncias veiculadas na imprensa paraguaia apontaram que a Leros teria sido beneficiada durante a negociação da “ata secreta” de Itaipu.

As mensagens vazadas pela emissora paraguaia Telefuturo mostram que um suplente do senador brasileiro Major Olímpio (PSL-SP) participou das negociações e teve informações privilegiadas. A emissora também cita vínculos da negociação que favoreceria a empresa Leros com a família do presidente Jair Bolsonaro (PSL).

Com informações Sputnik Brasil


Gostou? Compartilhe!