BOLSONARO DEIXA MAIS DE 1 MILHÃO DE TRABALHADORES SEM AUXÍLIO DOENÇA.

Gostou? Compartilhe!

Segundo reportagem do portal de notícias Uol, mais de 1 milhão de trabalhadores que recebem menos do que um salário mínimo estão com o pagamento do auxílio-doença travado desde a aprovação da nefasta reforma da Previdência, que começou a valer em novembro do ano passado.

Vendida como a solução para todos os males do Brasil, a reforma da Previdência virou pesadelo na vida de 1,38 milhões de trabalhadores que inaptos ao trabalho momentaneamente, que vem sendo castigados pela inércia do desgoverno Bolsonaro .

Em mais um caso claro de desatenção aos trabalhadores o governo não emitiu nenhum decreto para regulamentar um artigo da reforma da Previdência para corrigir a situação dos trabalhadores, ainda segundo o Uol, Sem o decreto, pessoas nessa situação que deram entrada no pedido de auxílio após a reforma seguem aguardando pagamento, mesmo após passar por perícia do INSS que comprova o direito ao benefício.

O INSS afirma que a lei não define como será feito o pagamento da diferença pelo trabalhador para complementar sua contribuição, e que o governo ainda precisa publicar o decreto estabelecendo essas regras. Sem o decreto, o INSS não consegue calcular o valor do benefício, e o pagamento desses auxílios fica pendente.

O pacote de maldades enviado por Bolsonaro e defendido por Paulo Guedes e Rodrigo Maia (DEM-RJ), mudou as regras para a concessão do auxílio doença, antes da reforma, mesmo quando o trabalhador ganhava abaixo de um salário mínimo, aquele mês entrava na conta do tempo de contribuição para, por exemplo, ter direito à aposentadoria e ser usado no cálculo do valor do benefício, de acordo com Adriane Bramante, presidente do IBDP (Instituto Brasileiro de Direito Previdenciário). Pelas novas regras, definidas no artigo 29 da reforma da Previdência, esse mês só contará se o trabalhador compensar a diferença, por exemplo, pagando o que falta para alcançar a contribuição mínima.

Veja o tamanho da irresponsabilidade desse desgoverno, como um trabalhador vai arcar com diferença, se ele está doente e precisa por o que comer, filhos para estudar e ainda de quebra dar conta da compra de remédios? É o trabalhador literalmente pagando o pato de uma reforma danosa a sociedade, sobre tudo os trabalhadores mais afetados pela reforma trabalhista do governo golpista de Michel Temer, como os trabalhadores intermitentes ou de meio período, por exemplo, podem receber abaixo do mínimo mensal (R$ 1.045, em 2020), como esse trabalhador vai arcar com a diferença exigida pela reforma da previdência de Bolsonaro ?

Sem o auxílio-doença as famílias desses trabalhadores estão passando por necessidade, contando com a solidariedade de amigos e parentes, justamente na hora que mais necessitam do poder público, esse desgoverno os abandona, Bolsonaro é o reflexo da mais pura maldade já feita com os trabalhadores, infelizmente quem pediu a mudança, agora arca com a maldade dela na pele, chegou a conclusão que só posso dizer que nós avisamos, comprou a ideia da desinformação feita pela grande mídia, quem apostou que esse desgoverno poderia mudar o Brasil, mas esqueceu que poderia ser para pior.

Texto: Pedro Oliveira com base na reportagem de Ricardo Marchesan do UOL

Edição: Ana Fernandes
Informações: Portal de notícias Uol

Com informações Noticiário Politico Nacional


Gostou? Compartilhe!