Menos da Metade do Brasil apoia a Pauta econômica do Bolsonaro

Gostou? Compartilhe!

Para 55%, alta do dólar impacta negativamente a própria vida e da família; para 62% há impacto negativo sobre a economia.

No momento em que se intensificam ruídos na relação entre o presidente Jair Bolsonaro e o ministro Paulo Guedes, pesquisa da XP Investimentos/Instituto de Pagamentos Especiais de São Paulo (Ipespe) mostra que 47% da população acredita que a economia do país está no caminho certo – contra 40% que veem a condução da política econômica no caminho errado.

As oscilações em relação a janeiro ocorreram dentro da margem de erro. No mês anterior, eram 45% os que aprovaram o desempenho no setor, e 43% os que reprovavam.

Foram feitas 1.000 entrevistas nos dias 17, 18 e 19 de fevereiro. A margem de erro é de 3,2 pontos percentuais. Os resultados mostram oscilações também na aprovação e reprovação do mandato do presidente. Os que consideram o governo ruim ou péssimo foram de 39% para 36%, e os que consideram a gestão boa ou ótima passaram de 32% para 34%, o que fez com que a diferença entre a reprovação e a aprovação caísse a 2 pontos percentuais, a menor margem desde julho.

A pesquisa testou a opinião dos brasileiros em relação a privatizações. Os números mostram resistência da população à venda das estatais. No caso da Eletrobras, que tem maior acompanhamento do mercado, 49% se dizem contra enquanto 39% são favoráveis.

Em relação a outro ponto da agenda econômica, a reforma administrativa, o levantamento mostra que a população acredita que os servidores públicos trabalham menos que os funcionários da iniciativa privada (60% têm esse entendimento), apesar de ganharem mais (56%). Os números são próximos aos do levantamento anterior sobre o tema, de novembro de 2019.

Os entrevistados foram questionados, ainda, sobre o impacto do aumento da cotação do dólar. Para 55%, a alta da moeda americana impacta negativamente a própria vida e a de sua família, e para 62% há impacto negativo sobre a economia brasileira.

Os entrevistados foram questionados, ainda, sobre o impacto do aumento da cotação do dólar. Para 55%, a alta da moeda americana impacta negativamente a própria vida e a de sua família, e para 62% há impacto negativo sobre a economia brasileira.

Com informações Monitor Digital


Gostou? Compartilhe!