GOVERNO BOLSONARO DIMINUI 40% DE VERBAS USADAS PARA ASSISTÊNCIA AOS MAIS POBRES.

Gostou? Compartilhe!


Não é de hoje que esse site vem denunciando o descaso do desgoverno Bolsonaro com os mais pobres, apenas dois meses depois de pagar o “13º do bolsa família”. O governo orientou a base governista a barrar a medida provisória que garantia o pagamento dessa parcela extra aos mais pobres, o que nem seria necessário, visto a portaria que o governo baixou ainda no final do ano passado.

A BBC trouxe a tona em uma de suas reportagens que uma portaria do Ministério da Cidadania lançada no fim de 2019 resultou em cortes nas verbas federais repassadas para os serviços de assistência social no país. A decisão do governo põe em risco a continuidade do atendimento, especialmente em localidades menores e com menos recursos, a maldade de Bolsonaro resultou num corte de até 40% menos que as anteriores, justamente para as localidades menores e com menos recursos.

A portaria da fome, como é conhecida pelos prefeitos de pequenos municípios é a de nº 2362 e foi publicada no Diário Oficial em 23 de dezembro do ano passado um dia antes da véspera de Natal. Mas os efeitos da medida só foram sentidos no começo deste mês. O impacto variou em cada município, mas oscilou de 30 a 40%.

O corte ocorre justamente num governo que tem como principal inimigo o programa social de maior sucesso do país, o Bolsa Família. Bolsonaro nunca negou seu descaso pelo programa, quando ainda era deputado federal Bolsonaro era um critico ferrenho do programa.

Em 2018 prometeu pagar uma espécie de 13º salário para os beneficiários, após o pagamento o governo tenta fazer a MP caducar para que não efetuar um novo pagamento, ainda em 2019 cerca de 500 mil famílias estavam na fila de espera do programa, segundo dados obtidos pelo jornal O Globo por meio da Lei de Acesso à Informação. O Ministério da Cidadania, no entanto, não informa o número mês a mês.

Um dos serviços atingidos pela portaria nº 2362 são os Centros de Referência de Assistência Social (CRAS). Estes são responsáveis justamente por encaminhar as pessoas que têm direito a benefícios como o Bolsa Família e o Benefício de Prestação Continuada (BPC).
Utilizando a ferramenta Siga Brasil, do Senado Federal, a reportagem da BBC News Brasil constatou que o Ministério da Cidadania dispunha de R$ 1,8 bilhão para transferir aos Estados e municípios por meio do FNAS no Orçamento deste ano o valor é cerca de 35% menor que os R$ 2,8 bilhões empenhados com esta finalidade ao longo de 2019.

Clique Aqui e leia a reportagem da BBC

Texto: Pedro Oliveira com base na reportagem da BBC
Edição: Ana Fernandes
Informações: BBC

Com informações Noticiário Político Nacional


Gostou? Compartilhe!