Presidente do BB quer fim da quarentena, pois "Vida não tem valor infinito"

Gostou? Compartilhe!

Em grupo de WhatsApp, presidente do Banco do Brasil diz que vida não tem ‘valor infinito’

O presidente do Banco do Brasil, Rubem Novaes, fez comentários críticos ao isolamento social, na mesma linha que o presidente Jair Bolsonaro. Em mensagem em um grupo de WhatsApp, Novaes disse que vida não tem “valor infinito”.

“Muita bobagem é feita e dita, inclusive por economistas, por julgarem que a vida tem valor infinito. O vírus tem que ser balanceado com a atividade econômica”

A discussão sobre a necessidade de isolamento ganhou mais força com o pronunciamento do presidente nesta terça (24), contradizendo recomendações do próprio Ministério da Saúde e na contramão da maioria dos países que estão na batalha contra o vírus.

Um ou outro Perguntado sobre a afirmação que fez nas mensagens, Novaes disse que o confinamento prolongado “causará depressão econômica com efeitos piores que os da epidemia”.

Afirmou também que “a questão não é apenas médica e mesmo alguns médicos concordam com a tese do presidente [Bolsonaro]”, disse ao Painel. “Depressão econômica também mata muita gente, principalmente entre os mais pobres.”

O ex-presidente do Banco Central Armínio Fraga pondera. Ele tem a opinião de que escolher isolar pessoas por razões de saúde leva à alguma perda econômica, mas que “esse trade off [abrir mão de um lado para ganhar do outro] é bem menor do que se imagina”. O economista afirma que, por isso, existe “a forte recomendação de evitar o pico de atividade hospitalar matador”.

O tempo de isolamento preocupa os integrantes da equipe econômica, que usa como exemplo a greve dos caminhoneiros –durou três semanas em 2018 e drenou 1,2 ponto percentual do PIB daquele ano, o equivalente à metade do crescimento previsto.

Os governadores que levantaram medidas de proteção colocam na conta de Luiz Herique Mandetta (Saúde) as restrições. Afirmam que o combinado era mandar as pessoas para casa por 15 dias e depois ir avaliando o desenvolvimento do contágio.

Até esta terça, 156 nações haviam fechado as suas escolas, segundo levantamento da Unesco.

Com informações: Folha de São Paulo


Gostou? Compartilhe!