Médicos que apoiaram Bolsonaro relatam decepção com presidente por causa do coronavírus

Gostou? Compartilhe!

“Para quem ainda não se ligou na gravidade do problema! Fiquem em casa!”. O apelo da médica Tayse Costa feito via Facebook é o mesmo da maioria dos profissionais de saúde neste momento de combate ao coronavírus.

Mas o alerta da médica, que trabalha em um hospital de Manhumirim (MG), chama a atenção por ir frontalmente contra a posição do candidato que ela defendeu com afinco na eleição de 2018.

Durante a campanha, Tayse administrou no Facebook o grupo Médicos com Bolsonaro, que reuniu mais de 2.000 profissionais de saúde em apoio à candidatura do atual presidente.

Outro responsável pelo grupo, o médico Marcelo Costa, que trabalha na prefeitura de Perdões (MG), postou recentemente uma foto sua com o mesmo recado. “#Ficaemcasa. Não ao Covid-19”, escreveu.

Procurados pela reportagem, nenhum dos dois quis dar entrevista, nem dizer se haviam rompido com o presidente. Outros, no entanto, são explícitos em sua frustração com o candidato que apoiaram.

A recusa de Bolsonaro em seguir a recomendação de especialistas em saúde e sua insistência em flexibilizar a estratégia do isolamento social tem levado muitos profissionais da área médica a fazerem uma autocrítica em relação ao apoio que deram a ele de forma entusiástica em 2018.

Pegou especialmente mal o desdém de Bolsonaro da gravidade da doença, ao chamá-la de “gripezinha”. Muitos médicos se sentem desamparados no momento em que têm de lidar com pacientes da Covid-19, expondo-se a grande risco de também contraírem a doença.

“Está faltando liderança nesse momento. O presidente poderia ter conduzido de maneira muito melhor a relação com os governadores e com a imprensa. Dizer que é gripezinha mostra que ele não está tendo o controle necessário”, diz o oftalmologista Antonio Carlos de Souza Ferreira, 38, do Rio de Janeiro.

Apoiador do presidente desde o primeiro turno, Ferreira afirma que sempre soube das limitações pessoais de Bolsonaro, mas que decidiu votar nele porque via a necessidade de mudança política, após mais de uma década de governos do PT.

“O presidente está enfrentando um momento difícil. A gente tem que ter sensibilidade. Mas ele precisa saber lidar com essa pressão”, diz.

Ferreira deixa em aberto a possibilidade de apoiar uma eventual candidatura à reeleição de Bolsonaro. “Vai depender do que ocorrer daqui para a frente. Ainda dá tempo de corrigir”, afirma.

Clínica geral que trabalha em um hospital em Osasco (SP), Beatriz Ferreira também votou em Bolsonaro nos dois turnos. Ela afirma que o presidente jamais poderia ter falado numa “gripezinha”.

“Não dá para diminuir o que está acontecendo. O mundo inteiro está sofrendo com isso”, afirma.

Ferreira diz que tem a mesma preocupação do presidente quanto a tentar evitar uma crise econômica em razão do isolamento total da população.

Acha que poderia inclusive ser feita uma experiência com o chamado isolamento vertical, que afetaria apenas idosos e pessoas vulneráveis, e então avaliar o resultado.

“Ele [Bolsonaro] tem razão em coisas que ele fala, mas o jeito que transmite para o povo, e na TV, querendo minimizar a situação, incomoda muitas pessoas. Ninguém entende o que ele quer dizer”, declara Ferreira. Ela afirma que provavelmente não votaria novamente em Bolsonaro, porque seria “um voto perdido”.

O apoio de Bolsonaro entre a classe médica foi expressivo em 2018. Um dos motivos foi a promessa do então candidato de acabar com o programa Mais Médicos, que tinha grande resistência entre profissionais da saúde.

O programa era visto como injusto, pelo fato de cubanos e outros estrangeiros terem facilidades para trabalhar no país, enquanto brasileiros sofrem para conseguir exercer sua profissão no exterior.

O fim do Mais Médicos foi uma das primeiras medidas do novo presidente após tomar posse.

Mãe de um menino de 1 ano em São Paulo, Jociane Veríssimo Franco, 31, diz que nunca foi grande fã de Bolsonaro, mas o apoiou porque sua prioridade era impedir a volta do PT ao poder.

Ela trabalha em um hospital em Osasco, em contato direto com pacientes de coronavírus. No local, já houve um óbito.

A médica afirma que se arrepende da opção por Bolsonaro no segundo turno e que hoje anularia o voto. O problema: o presidente fala demais.

“Ele está muito preocupado com a economia e não tanto com a saúde. Entendo que o pobre trabalha de manhã para comer à noite. Mas a hora que chegar no povão, em Paraisópolis, Cidade de Deus, vai morrer muita gente”, afirma.

Segundo ela, o presidente não pode estimular de maneira irresponsável a volta ao trabalho. “O pipoqueiro em frente ao hospital já está dizendo que vai voltar a trabalhar por causa do Bolsonaro.”

Uma opinião frequente entre médicos que se frustraram com Bolsonaro é o apoio ao ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, descrito como técnico e ponderado.

“Na campanha, Bolsonaro dizia que não entendia de economia e que deixava isso com quem entendia. Mas no caso da saúde, os técnicos liderados pelo Mandetta falam uma coisa e ele faz tudo diferente. Não consigo entender a diferença”, afirma o oftalmologista Jonas Rufino, 41.

Rufino diz que optou por Bolsonaro porque via o risco de o Brasil entrar em uma onda de “venezuelização” caso o PT retornasse ao poder.

Era, segundo o médico, a melhor opção naquele momento, mas ele diz que não imaginava a desilusão que teria com o presidente.

“Cada vez que o presidente aparece na TV é uma decepção grande para mim. Ele parece ser o único governante do mundo. Não assisto mais. E nunca mais voto nele, com certeza absoluta”, afirma.

Com informações Gaucha ZH


Gostou? Compartilhe!