PAULO GUEDES NÃO SABE A IMPORTÂNCIA DO BANCO DO BRASIL PARA OS BRASILEIROS

Paulo Guedes
Gostou? Compartilhe!

Segundo especialista, ‘demonstra completa falta de conhecimento da importância do Banco do Brasil para a economia brasileira’.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, fez declarações sobre possível venda do Banco do Brasil. Em reunião ministerial divulgada por vídeo no dia 22 de abril, o ministro voltou a defender a privatização da instituição. Por outro lado, o presidente Jair Bolsonaro sofreu resistência e defendeu que só se fale em vendas da instituição após 2022, ou seja, depois das eleições. A decisão de retirar o sigilo da gravação veio do ministro Celso de Melo do Supremo Tribunal Federal (STF), e o conteúdo faz parte da investigação da acusação feita pelo ex-ministro Sérgio Moro de que JBolsonaro desejava interferir na autonomia da Polícia Federal para proteger sua família.

No material divulgado, Guedes fez críticas duras à gestão do BB, que segundo ele, o governo deveria vender logo e que já era caso de privatização. Para Guto Ferreira, analista político-econômico da Solomon’s Brain, a fala foi desproposital.

“Demonstra uma completa falta de conhecimento da importância do Banco do Brasil para a economia brasileira. O Banco do Brasil nasceu em 1888 com D. João VI e tem representação em mais de 30 países, é sólido, as ações antes da crise valiam por volta de R$ 41. É uma ótima ação. É um banco que tem liquidez, que está na história do país, principalmente depois do período hiperinflacionário do Governo Sarney. Foi por meio do Banco do Brasil que os pequenos e médios agricultores cresceram nesse país. Se não fosse o Banco do Brasil não teríamos o que nós conhecemos hoje como agronegócio estabelecido financeiramente, com compra de maquinários, etc.”

Guedes declarou também que o governo não consegue fazer nada no BB, mas no BNDES e na Caixa, que são públicos, disse que fazem o que querem. Enfatizou que há um liberal no banco, referindo-se a Rubem Novaes, atual presidente.

“Agora, ainda que se possa concordar com a privatização, apenas 50% é do Governo, pois 50% do Banco do Brasil hoje já é da iniciativa privada. Quando ele fala que ele não consegue fazer alguma coisa tem que agradecer, tem que bater palma, porque graças aos 50% da iniciativa privada é que muita coisa não é feita de errada no Banco do Brasil. Agora, ainda que se concorde com isso a estratégia é muito ruim. Então como negociador o ministro Paulo Guedes tem se demonstrado um ótimo vendedor de sonhos. A estratégia dele é péssima e eu tenho a absoluta certeza de que a privatização do Banco do Brasil dificilmente sai no governo atual”, finaliza.

Já o posicionamento da Presidência da Caixa Econômica Federal sobre a possibilidade de colocar à venda partes lucrativas da instituiçãoo está na contramão do importante papel social que a instituição está realizando em plena pandemia, conforme avalia a Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa (Fenae).

“Não demorou para que o discurso privatista do governo voltasse à tona”, observa o presidente da Fenae, Sérgio Takemoto.

Na última quinta-feira, durante divulgação dos resultados da Caixa neste primeiro trimestre, o presidente do banco, Pedro Guimarães, reafirmou os planos do governo de vender partes rentáveis da instituição, admitindo a possibilidade, “dependendo do cenário econômico” de oferecer ao setor privado a área de cartões antes da Caixa Seguridade.

A direção da Caixa chegou a protocolar o IPO da Caixa Seguridade em fevereiro deste ano. Mas, interrompeu o processo em março, alegando “atual conjuntura do mercado mundial”, com turbulência nas Bolsas e temores dos investidores sobre a pandemia.

“Neste momento de crise, em vez de apresentar alternativas para melhorar o atendimento à população e dar condições dignas de trabalho aos empregados, a principal preocupação da direção do banco é dar continuidade aos planos de privatização de áreas lucrativas da Caixa. A crise está servindo para mostrar que a empresa é essencial ao povo brasileiro e para socorrer o país”, ressalta o presidente da Fenae.

Com informações Monitor Digital


Gostou? Compartilhe!