Pandemia encontrou economia que vinha enfraquecida desde 2016

Gostou? Compartilhe!

Com baixo investimento e elevada desigualdade, crise pegou Brasil já em queda.

A economia brasileira vem apresentando crescimento pífio desde o final de 2014. No ano passado, depois de projeção inicial de 3%, o Produto Interno Bruto (PIB) fechou em alta de apenas 1,1%. “Em 2020, apesar de mais uma vez o governo começar o ano fazendo projeções otimistas para o crescimento do PIB, na casa dos 2,5%, a divulgação da queda de 1,5% no PIB no primeiro trimestre evidenciou que o desempenho da economia já vinha aquém do esperado antes dos efeitos provocados pelo novo coronavírus”, destaca análise do Dieese.

“A pandemia encontrou uma economia enfraquecida devido à baixa taxa de investimento, elevada ociosidade, precarização do mercado de trabalho e crescimento das desigualdades sociais, em razão das políticas neoliberais implementadas desde 2016 e aprofundadas no atual governo”, afirma a instituição.

O emprego no comércio é o mais afetado até agora. De janeiro a maio, foram fechadas 446 mil postos de trabalho com carteira assinada, segundo levantamento do Dieese, com base no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged).

Boa parte dos que não foram demitidos também sofre os impactos: cerca de 2,5 milhões tiveram contratos suspensos ou jornada e salário reduzidos, conforme autorizado pela MP 936. O Dieese destaca ainda a própria característica do setor como agravante da situação. Aproximadamente um terço dos trabalhadores no comércio são informais. “E, com a crise do coronavírus, perderam a renda.”

Os comércios representam cerca de um quarto dos 10 milhões de trabalhadores atingidos pela Medida Provisória 936, que prevê redução de jornada e salários e/ou suspensão de contratos.

O Dieese observa que as vendas já vinham fracas mesmo antes da pandemia, devido ao desemprego e da pouca renda disponível. As vendas online, embaladas pelas medidas de isolamento social, aumentam o desafio para manutenção e geração de empregos no setor do comércio.

Com informações Monitor Digital


Gostou? Compartilhe!