Como o Brasil do século XXI atravessa o samba

Gostou? Compartilhe!

Contribuição do Jornal Puro Sangue

1- O samba do Bolsonarista doido

Com a explosão da inflação por falta de produtividade, e não por excesso de demanda, o que atesta o fracasso da política econômica de estancamento do Paulo Guedes, avalizada pelo Bolsonaro, a máquina de Fake News bolsonarista resolve fazer o que todo governo incompetente faz pra esconder suas cagadas: arrumar um culpado, um bode expiatório. No caso, o bode da vez é a China, que estaria comprando antecipadamente a produção brasileira de grãos e insumos para supostamente, ajudar a esquerda brasileira, os governadores e o STF a derrubar o presidente, ao qual chamam de “capitão”. Ah! E eleger o Lula de quebra, porque pra piração ficar melhor, nada como ressuscitar o fantasma do Lulopetismo Comunista comedor de criancinha.

Como toda boa Teoria de Conspiração e Fake News da extrema direita de gordinhos de dentro de casa, essa também parte de premissas reais e distorce a realidade para encaixar em seu universo narrativo.

Fatos reais: sim, preço de comodities são definidos por quem compra, essa é a maldição dos países produtores primários. Outra coisa: as safras são negociadas antes de serem semeadas.

O Mercado de ações é uma fichinha, brincadeira de criança, perto do Mercado Futuro, que é onde os grandes operam pra valer.

Boi, soja, petróleo, resina plástica, ferro, aço, alimentos… Tudo é negociado, vendido, comprado, antes de existir de fato. Contratos de opção de compra e venda pra 2, 5, 10 safras a frente. E a China, como maior consumidor de gêneros alimentícios e de suprimentos industriais do planeta, faz questão de garantir sua demanda antes de todos. Isso não é pra “derrubar o capitão”, eles fazem isso independente de quem esteja no governo.

Na verdade, “os china” estão tão preocupados com o “capitão” quanto o piloto de formula 1 está preocupado com as formigas que porventura estejam atravessando a pista durante a corrida. Eles precisam (e têm a grana para) garantir o funcionamento de seu enorme parque industrial e garantir a alimentação de 1,5 bilhões de pessoas, o “capitão”, seus puxadores de saco e suas bravatas são apenas o ruído de um pernilongo distante para essa mega estrutura milenar que se modernizou após de redescobrir capaz.

Ao invés de ficar teorizando conspirações (como se o leão precisasse conspirar contra uma barata), seria mais produtivo observar o que aquele país tão pobre, explorado e invadido até a metade do século XX fez para se tornar uma potência mundial no início do século XXI.

Por outro lado, a New Left fica alimentando fantasias de que sua salvação virá de algum anjo vingador externo.

2 – Agora é a versão do samba do Lulopetista doido:

Estão rolando notícias em portais da rede “progressista” (seja lá o que esse adjetivo signifique de fato), que o candidato a presidência dos Estados Unidos, Joe Biden – o homem da ação do governo Obama, no qual foi gestado e desenvolvidas as primaveras e golpes contra governos “não alinhados” com a Casa Branca (entenda-se: não submissos) – teria declarado que, caso eleito fosse, jogaria no ventilador todo o plano do Departamento de Estado dos EUA que levou ao impeachment da Dilma.

Daí seguem duas situações importantes sobre o ano de 2016 – ano em que Dilma foi apeada do poder sem dar um soco na mesa sequer, e ano em que terminou o mandato do Obama, bem após o impeachment finalizar. Trump já assumiu com o serviço do golpeachment pronto e encerrado.

Daí, surgem duas questões sobre essa vontade do Biden em abrir tudo se, e somente se, for eleito:

Primeiro: por que não diz tudo logo de uma vez? Se que ele mesmo estava à frente dos processos de primaveras e golpes durante o governo Obama, deveria ter as informações suficientes para elucidar, não só a participação dos EUA no impeachment da Dilma, mas também na destruição da Líbia, desestabilização do Egito, Honduras, Paraguai, e a lista não acaba.

Outra questão pertinente é que: desde quando o Império decadente do ocidente vai se importar em prestar contas pra alguma colônia? Seja qual for o tamanho da crise de consciência do velho Biden, que diferença faria ele ser eleito ou não para revelar o que sabe?

E o pior de tudo! Qual a vantagem de um candidato divulgar isso pro eleitor dele lá?? Desde quando o estadunidense médio se preocupa para o que acontece ao sul do Rio Grande? Se não houver uma invasão em massa de “cucarachas” (termo que usam para se referir a nós, latino-americanos) lá, já tá bom demais.

Conclusão:

Ao fim e ao cabo, se tratam de duas vertentes do mesmo movimento de manter o país dividido. E, ao mesmo tempo, manter os dois lados submissos ao mesmo senhor: o Império decadente do Norte, os EUA. Sim, porque enquanto os bolsonaristas se prestam a atacar o principal rival geopolítico dos EUA, e o principal parceiro comercial do Brasil há uma década, os lulopetistas se ancoram numa esperança de que sua salvação também está no mesmo Império. Como se bastasse mudar um nome numa cadeira lá, para que toda uma estrutura de dominação e imposição seja eliminada por uma questão de consciência pessoal. Pessoa que, de novo, encabeçou o processo de interferência na política interna brasileira, e não só nessa.

Na realidade, na realidade, se trata do mesmo gado, sendo tocado, parte pela direita e parte pela esquerda, mas tudo indo na mesma direção que o dono do rebanho quer: para direção do abatedouro.

E como evitar o abate??

Simples: pela união em torno do Brasil, sem esquerdas e direitas, apenas pelo bem estar do povo garantido por uma nação realmente soberana. Sem mitos ou micos, sem privilégios de classe ou lugares de fala, apenas o bem estar geral.

Mas isso é assunto para outro texto…

Josh Del Castillo – Músico e Bacharel em História pela UFJF


Gostou? Compartilhe!