Governo indica seis nomes para Conselho da Petrobras

Gostou? Compartilhe!

 

O Governo Federal preparou uma nova lista com a indicação de seis nomes para integrar o Conselho de Administração da Petrobras. Os indicados serão apresentados à Assembleia Geral Extraordinária da empresa.

Dos nomes apresentados, dois já integram o conselho. Um deles é atual presidente, Eduardo Bacellar Leal Ferreira, que é almirante-de-esquadra da Reserva e já ocupou o cargo de comandante da Marinha no Governo Dilma.

O outro é o conselheiro Ruy Flaks Schneider, engenheiro industrial mecânico que também é presidente do Conselho de Administração da Eletrobras.

O terceiro nome é do general-de-Exército da Reserva Joaquim Silva e Luna, que foi indicado pelo Governo Federal para assumir a Presidência da Petrobras, em substituição a Roberto Castello Branco. Atualmente, Silva e Luna é diretor-geral brasileiro de Itaipu Binacional.

O Ministério de Minas e Energia indicou ainda dois ex-funcionários da Petrobras, que atuaram na empresa entre as décadas de 70 e 90: o engenheiro civil Márcio Andrade Weber e o geólogo Murilo Marroquim de Souza.

Já o Ministério da Economia indiciou a administradora Sonia Julia Sulzbeck Villalobos, que já foi membro do Conselho de Administração da Petrobras de maio de 2018 até julho de 2020, eleita por acionistas detentores de ações preferenciais.

Na semana passada, quatro conselheiros, que integram o conselho atualmente e que haviam sido indicados pelo governo, em fevereiro, para continuar no cargo, decidiram não aceitar a recondução: João Cox Neto, Nivio Ziviani, Paulo Cesar de Souza e Silva e Omar Carneiro da Cunha Sobrinho.

As indicações trazem inclinação ao mercado, diz a Ativa Investimentos.

“Quanto a tecnicidade dos nomes, não enxergamos problema aparente na nomeação realizada. Quanto ao general Luna e Silva, não encontramos empecilhos técnicos a sua nomeação ao conselho e sim ao cargo de CEO, uma vez que o mesmo, por ora, não preenche os requisitos mínimos requisitados pelo estatuto da companhia”, avalia Ilha Arbetman, analista da Ativa Investimentos.

Com informações Monitor Digital


Gostou? Compartilhe!