López Obrador apresenta decálogo para resgatar o setor de energia

Gostou? Compartilhe!

 

O presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, emitiu um decálogo para resgatar a indústria de hidrocarbonetos, partindo do freio à privatização do setor de energia e “ com o saneamento da corrupção” na Pemex.

“Nunca mais casos como o da Odebrecht ou a compra de fábricas de fertilizantes a preços inflacionados, nem a entrega de propinas a funcionários e legisladores. Tudo o que eles representam é uma vergonha “, disse ele.

Na cerimônia de comemoração do 83º aniversário da desapropriação do petróleo, realizada em Tabasco, o presidente ratificou a política energética de sua gestão, num momento em que sua equipe luta para evitar o freio da nova Lei do Setor Elétrico.

Ele lembrou as motivações do presidente Cárdenas para decretar a desapropriação do petróleo, principalmente devido aos abusos de empresas estrangeiras que “se gabavam de ter um apoio poderoso, sentindo que estavam em terras de conquista”, escreveu o general.

Por isso, acrescentou López Obrador, a desapropriação é um dos atos de independência econômica e política mais importantes de nossa história.

“E mesmo com o passar do tempo, essa decisão serena e firme (de Cárdenas) continuará a ser um exemplo de como agir para valorizar a dignidade nacional e perseverar na construção de uma pátria mais livre, mais justa, mais democrática e mais soberana. “

Ele imediatamente delineou o decálogo.

O primeiro ponto é “deter a privatização do setor energético” porque “o único dono do petróleo é o povo e os benefícios da energia sempre serão para o povo mexicano”, advertiu.

No segundo, indica respeito aos contratos outorgados para a chamada reforma energética, mas não haverá novas concessões para exploração de petróleo e a Pemex será protegida para manter sua atual participação no mercado de gasolina, diesel e outros derivados de petróleo.

Na terceira, ele fala sobre o cumprimento das metas de produção da gasolina que o país consome, daí a importância das refinarias.

Ele então indica que mesmo quando três depósitos importantes forem descobertos, a extração de petróleo será usada para refino e a tendência de exportar petróleo e comprar gasolina não vai continuar, ou seja, “toda a matéria-prima será processada em nosso país”.

O quinto é a garantia de não retirar mais de 2 milhões de barris por dia do subsolo; para exemplificar, “em nosso governo extrairemos aproximadamente metade do petróleo que foi explorado em todo o governo Fox” para repor 100% das reservas comprovadas e não afetar as novas gerações.

A sexta declaração é sobre o fortalecimento da exploração e perfuração de gás; Antes, “no período neoliberal, decidia-se comprar no exterior para alimentar os negócios que essas compras representavam para influentes políticos e dirigentes de empresas privadas, nacionais e estrangeiras”.

Ele acrescentou, em sétimo lugar, que o Ministério da Fazenda e Crédito Público continuará reduzindo os impostos da Pemex.

No oitavo, ele ratificou que não haverá aumento em termos reais dos preços da gasolina, do óleo diesel e de outros combustíveis. “Acabaram os aumentos absurdos”, garantiu.

O penúltimo é sobre a questão do combate à corrupção e, no final, o compromisso de que não haverá demissões e que as condições de trabalho e benefícios serão respeitadas. Ele reiterou o respeito ao direito de escolher livremente seus representantes sindicais.

“Com os trabalhadores desta indústria e com os trabalhadores de todo o México estamos resgatando a Pemex e resgatando a nação”, concluiu.

Com informações Nodal


Gostou? Compartilhe!