Sem a Ásia, comércio de países em desenvolvimento segue em baixa

Gostou? Compartilhe!

 

Serviços também ainda se encontram inferiores à pré-pandemia.

A recuperação do comércio mundial continua desigual, especialmente entre os países em desenvolvimento, com as exportações do Leste Asiático se recuperando substancialmente mais rápido. O comércio entre os países em desenvolvimento (comércio Sul-Sul) permanece abaixo da média quando os números do comércio das economias em desenvolvimento do Leste Asiático são excluídos.

O relatório Global Trade Update, da Unctad (agência da ONU para comércio e desenvolvimento), lançado semana passada, traz outras revelações. Apesar de o valor do comércio de bens no primeiro trimestre de 2021 ter ficado acima do nível pré-pandemia, o comércio de serviços permanece substancialmente abaixo da média.

“O comércio global registrou uma recuperação mais rápida da recessão causada pela pandemia do que nas duas últimas recessões comerciais”, disse o economista da Unctad Alessandro Nicita, que trabalhou no relatório.

Levou quatro trimestres após o início da recessão induzida pela pandemia para que o comércio mundial retornasse aos níveis anteriores. No quinto trimestre – primeiro trimestre de 2021 – o comércio global foi superior aos níveis anteriores à crise, com um aumento de cerca de 3% em relação ao quarto trimestre de 2019.

Em comparação, demorou 13 trimestres para o comércio global se recuperar da recessão de 2015, que resultou de mudanças estruturais nas economias do Leste Asiático e quedas nos preços das commodities; e demorou nove trimestres para se recuperar da recessão de 2009, causada pela crise financeira global.

A recuperação do comércio mundial da crise da Covid-19 atingiu um recorde no primeiro trimestre de 2021, aumentando 10% ano a ano e 4% trimestre a trimestre.

As tendências de importação e exportação de algumas das principais economias comerciais do mundo mostram que, com algumas exceções, o comércio se recuperou do outono de 2020. No entanto, os grandes aumentos devem-se à base baixa de comparação. O comércio em muitas das principais economias ainda estava abaixo das médias de 2019. A tendência de uma recuperação mais forte de bens em relação a serviços é comum a todas as principais economias, conclui o relatório.

O relatório prevê que o comércio continuará crescendo em 2021, com a expectativa de que o crescimento permaneça forte na segunda metade do ano. A previsão geral para este ano indica um aumento de cerca de 16% em relação ao ponto mais baixo de 2020 (19% para bens e 8% para serviços).

O valor do comércio global de bens e serviços deve chegar a US$ 6,6 trilhões no 2º trimestre de 2021, equivalente a um aumento ano a ano de cerca de 31% em relação ao ponto mais baixo de 2020 e de cerca de 3% em relação à pré-pandemia níveis de 2019.

“Os pacotes de estímulo fiscal, principalmente nos países desenvolvidos, devem apoiar fortemente a recuperação do comércio global ao longo de 2021”, diz o relatório. “O valor do comércio global também deve aumentar devido às tendências positivas nos preços das commodities.”

Com informações Monitor Mercantil


Gostou? Compartilhe!