Bolsonaro é muito pior que Dilma, avaliam banqueiros e empresários

Gostou? Compartilhe!

Com enorme rejeição junto à população, Bolsonaro ataca o sistema eleitoral, desacredita as urnas eleitorais, alimenta um confronto desnecessário com o STF

Está claro, entre banqueiros e empresários, de que o presidente Jair Bolsonaro é pior do que Dilma Rousseff no comando do país. Ainda que muitos se queixem da falta de habilidade da ex-presidente para tocar o país, nada se compara às loucuras de Bolsonaro, que criou um mundo paralelo e deixou de governar o país.


Os donos do dinheiro reconhecem, agora, que erraram em apoiar Bolsonaro nas eleições de 2018 somente para não ver o PT de volta do poder. Admitem, inclusive, que, se Fernando Haddad tivesse vencido a disputa eleitoral, o Brasil estaria em uma situação muito melhor do que a atual. Primeiro, porque Haddad é uma pessoa sensata, aberta ao diálogo.


Nas conversas, banqueiros e empresários dizem que Bolsonaro perdeu uma grande oportunidade para mostrar que teria condições de se superar, mesmo tendo saído da ralé do Congresso — o quinto escalão do baixo clero. Bastava ter bom senso no cargo. Alguns dizem que, se o presidente tivesse reconhecido a pandemia do novo coronavírus, agido rapidamente para comprar vacinas, seria reeleito no primeiro turno.

Caro Leitor, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo.  Precisamos de sua contribuição para manter nosso jornalismo honesto e independente. Se você puder contribuir com qualquer valor que não te fará falta, nós agradecemos. A Chave PIX Agencia MBrasil é agenciabrasilmaior@gmail.com

Agora, com enorme rejeição junto à população, Bolsonaro ataca o sistema eleitoral, desacredita as urnas eleitorais, alimenta um confronto desnecessário com o Supremo Tribunal Federal (STF). Sabe que, mantida a atual conjuntura, corre o risco de nem chegar ao segundo turno em 2022.

No entender dos donos do dinheiro, ainda é possível construir uma candidatura de terceira via com potencial para brigar com os extremos de direita (Bolsonaro) e de esquerda (Lula). Mas está claro que boa parte deles votará em Lula caso o competidor seja Bolsonaro. A alegação é de que o Brasil não aguentaria mais quatro anos com um “capitão tresloucado” dando as cartas.


Sobre a comparação entre Bolsonaro e Dilma, ressaltam ainda que a petista era uma pessoa difícil, errou na condução da política econômica, mas não era corrupta — o PT, sim. Bolsonaro, além de não querer governar, fugir dos principais problemas do país (saúde, desemprego e pobreza), deixa correr tudo muito solto. Basta ver o que ocorreu no Ministério da Saúde com a vacina indiana Covaxin.

Com informações Estado de Minas


Gostou? Compartilhe!