Deputados cobram mudança na política de preços dos combustíveis da Petrobrás

Gostou? Compartilhe!

Situação da Petrobras era mais confortável antes da paridade internacional.

Deputados de diversos partidos cobraram mudança na política de preços de combustíveis da Petrobras, que desde 2016 acompanha a variação do valor do barril de petróleo no mercado internacional e do dólar. É a chamada política de paridade internacional (PPI).

O presidente da estatal, general Joaquim Silva e Luna, deu depoimento em comissão geral no Plenário da Câmara dos Deputados. Ele não chegou a fazer uma defesa direta da política de paridade internacional, mas afirmou que as regras atuais permitiram que estatal recuperasse o lucro, que foi de R$ 42,8 bilhões no 2° trimestre de 2021, contra prejuízo de R$ 2,7 bilhões registrado no mesmo período do ano passado.

O argumento, porém, pouco convenceu. Desde outubro de 2016, sob o comando de Pedro Parente, a Petrobras adota a PPI. Portanto, o prejuízo no ano passado, tal qual o lucro deste, pouca relação têm com a política. Mas significativos foram o aumento do preço do barril do óleo no exterior, a desvalorização do real e ajustes contábeis (chamados de impairments). Pesou também para o lucro a venda de ativos, chamada pela estatal de desinvestimento.

Caro Leitor, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Precisamos de sua contribuição para manter nosso jornalismo honesto e independente. Se você puder contribuir com qualquer valor que não te fará falta, nós agradecemos. A Chave PIX Agencia MBrasil é agenciabrasilmaior@gmail.com

O ex-economista da estatal e diretor da Associação de Engenheiros da Petrobrás (Aepet), Claudio Oliveira, já demonstrara que, no ano passado, a companhia registrou uma geração de caixa de US$ 28 bilhões. Em 2011, quando se alegava que havia subsídio aos preços dos combustíveis e corrupção, a geração de caixa alcançou US$ 33 bilhões.

De acordo com o IBGE, a gasolina acumula alta de preço de 31,1% entre janeiro e agosto, contra uma inflação geral de 5,7% (IPCA). O diesel e gás de cozinha (GLP) também concentram altas (28% e 23,8%, respectivamente).

“Temos de ter uma política de preço capaz de não aviltar a situação das famílias do país”, disse o deputado Danilo Forte (PSDB-CE), autor do requerimento para a realização do debate. “A lógica do preço internacional é um fracasso para o Brasil”, reforçou o deputado Bohn Gass (PT-RS).

Mesmo entre governistas, houve questionamentos. O deputado Cacá Leão (PP-BA) defendeu que a companhia reveja sua posição. “Pergunto se não chegou a hora de a Petrobras fazer um encontro de contas com o povo brasileiro”, afirmou.

Deputados aliados ao Governo Bolsonaro defenderam a estatal. Eles argumentaram que o principal culpado pelo alto preço dos combustíveis é o ICMS, um imposto estadual. A alíquota deste imposto, porém, não é alterada há anos, segundo os estados.

Na semana passada a Revista Sociedade Militar repercutiu, negativamente, a informação da Folha de S. Paulo de que o general Silva e Luna acumula um salário bruto de R$ 260.400,00 mensais (R$ 32.200,00 como militar da reserva e R$ 228,200,00 de remuneração na Petrobrás).

Com este valor, Silva e Luna poderia comprar 37.200 litros de gasolina (R$7,00 o litro) ou 2.640 botijões de gás (R$ 100,00 o botijão de 13kg)

Com informações Monitor Mercantil e Petronoticias

 


Gostou? Compartilhe!