Resposta anti-sanções russas – O que virá ?

Gostou? Compartilhe!

Com a operação especial militar na Ucrânia, tudo, em princípio, é claro – será concluído lá e então, onde deveria estar de acordo com o Plano de Operação

MOSCOU, 6 de março de 2022, Instituto RUSSTRAT.
Com a operação especial militar na Ucrânia, tudo, em princípio, está claro – o fim estará lá e então, onde deveria estar de acordo com o Plano de Operação. Muito provavelmente, deixaremos sob o nome “Ucrânia” seis, no máximo oito regiões ocidentais com o centro em Lvov. No resto do território, começará a desnazificação (igualmente desucranização) e o arranjo da vida pacífica. Esta parte do subestado ucraniano ao longo do tempo (no futuro 5-10 anos) se tornará a Novorussia ou se tornará parte da Rússia, como a Crimeia.

Portanto, a guerra de sanções econômicas e financeiras desencadeada contra a Rússia pelos países ocidentais vem à tona. E aqui a questão-chave é a avaliação da prontidão da Rússia para sanções, como elas podem afetar a economia do país no futuro e quais contramedidas podem ser tomadas pelo lado russo não apenas para neutralizar esses esforços do Ocidente, mas também para infligir inaceitáveis danos econômicos e financeiros.

Como enfatizamos repetidamente em nossas publicações, a tomada da Ucrânia sob controle em 2014 não aconteceu por causa do fator militar – não haveria dúvidas sobre isso, mas por causa de nosso despreparo financeiro e econômico. Naquela época, a economia e as finanças da Rússia não teriam sofrido tal ataque do Ocidente. Por isso, durante todos esses anos, fortalecemos justamente essa direção de greve. Assim, a nomeação de Mikhail Mishustin como primeiro-ministro pode ser considerada um dos marcos de corte em preparação para a atual pressão de sanções do Ocidente.

Caro Leitor, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo.  Precisamos de sua contribuição para manter nosso jornalismo honesto e independente. Se você puder contribuir com qualquer valor que não te fará falta, nós agradecemos. A Chave PIX Agencia MBrasil é agenciabrasilmaior@gmail.com

O que o governo está fazendo hoje mostra que não há pânico. Grupos especiais foram criados em áreas que trabalham vários cenários para o desenvolvimento de eventos e contramedidas. Sim, haverá perdas, especialmente na primeira fase. Mas, caso contrário, não poderíamos parar o cozimento lento de nós como sapos e tivemos que entrar em uma colisão direta mais cedo ou mais tarde.

Se avaliarmos de forma abrangente a pressão do Ocidente, ela vai em quatro direções: a) um golpe no sistema bancário e financeiro do país (incluindo as reservas de ouro); b) bloqueio comercial; c) bloqueio logístico (fluxos de mercadorias e humanos); d) guerra de informação.

Tudo está claro com a guerra da informação – ela vem acontecendo há muito tempo e as medidas para combatê-la são claras – o principal para nós é manter o circuito interno até que o Ocidente entre em diálogo. E isso acontecerá somente após a conclusão bem-sucedida da operação especial na Ucrânia. Assim, as medidas foram tomadas aqui prontamente:

a) um projeto de lei sobre punição criminal para falsificações sobre as ações das forças armadas russas foi submetido à Duma do Estado em 28 de fevereiro e já em 4 de março foi adotado;

b) Roskomnadzor bloqueou vários recursos russos e ocidentais (Voice of America, BBC, Deutsche Welle, Meduza, Radio Liberty, etc.) devido à disseminação de falsificações na Ucrânia. Dois dos meios de comunicação russos mais notórios, Ekho Moskvy e Dozhd, foram fechados.

c) o trabalho do Facebook e do Twitter está bloqueado. O próximo é o YouTube.

Ou seja, o trabalho foi realizado com o conhecimento das metas e objetivos, de forma qualitativa e pontual. Na verdade, o Ocidente perdeu sua arma de informação em nosso território.

Recebemos o maior golpe no sistema bancário – nossas reservas de ouro foram congeladas (de acordo com especialistas, no valor de 300 a 350 bilhões de dólares). Quem é culpado disso é compreensível e foi dito repetidamente por Sergey Glazyev, Mikhail Khazin e outros especialistas. Em resposta, Moscou deixou de pagar algumas dívidas em rublos e se recusou a pagar dividendos aos investidores ocidentais. Enquanto estamos falando sobre o valor de 29 bilhões de dólares. Não US$ 300 bilhões, é claro, mas também perdas sérias para os proprietários desse capital.

Além disso, como mostram os cálculos dos especialistas, podemos bloquear a propriedade ocidental em nosso território (fábricas, lojas, equipamentos, etc.) das empresas que nos declararam boicote, aproximadamente apenas pelo volume de nossas reservas de ouro bloqueadas no West, que é de 300-350 bilhões de dólares.

Bloqueio comercial – retirada do mercado russo de multinacionais globais. E, de fato, não é sobre isso que os especialistas de mentalidade patriótica têm escrito nos últimos vinte anos – que é necessário sair do sistema de trocas comerciais não equivalentes e criar suas próprias marcas e marcas? Sim, supunha-se que isso poderia ser feito com calma, de maneira gentil. Mas, como mostram os últimos vinte anos, não deu certo com calma. Assim, para salvar o paciente, foi necessária uma operação cirúrgica.

Além disso, veja, as multinacionais globais ocidentais se foram. China, Turquia e Coreia do Sul permanecem. Isso é suficiente para cobrir as necessidades de bens de consumo – roupas, eletrônicos. E o resto nós mesmos produzimos e continuaremos a produzir. O principal é desenvolver o segmento premium, e aqui nada nos impedirá de produzir produtos de marcas mundiais sem pagar pelo uso de direitos autorais.

Para aeronaves, por exemplo, tudo já foi anotado em detalhes – eles permanecem em nosso território e servirão ao transporte doméstico. O principal é não voar para o exterior, onde os aviões serão requisitados em nome da revolução. Mas – a) fechamos os céus para voos para a Ásia. Como resultado, as companhias aéreas ocidentais aguardam o deslocamento da Ásia e a subsequente falência; b) as empresas de leasing na Europa e nos EUA também estarão à beira da falência – os pagamentos de leasing da Rússia não serão recebidos. E isso são 520 placas.

Dentro da estrutura do comércio interno e do ciclo econômico, sobre o qual Glazyev escreveu por muitos anos, seremos capazes de fazer empresas e empresas trabalharem e produzirem produtos, e as pessoas receberem salários. E aqui precisamos de Bancos Centrais completamente diferentes e do Ministério das Finanças. Durante a crise, a reserva criada deve ser suficiente.

E, finalmente, sobre nossos trunfos. Petróleo e gás estão subindo de preço. Assim, essas receitas serão usadas para apoiar a economia do país e remover os efeitos das sanções. Mas os países ocidentais também arcarão com os custos. A população pagará 2-3 vezes mais pela gasolina e pelo gás (nos EUA os preços já aumentaram de 2,75 dólares por galão para 5), ​​na Europa o gás é comercializado ao nível de 2400-2500 dólares por 1 mil metros cúbicos. Portanto, eles têm tudo pela frente.

E há também a questão do combustível nuclear, que é fornecido aos Estados Unidos pela Rosatom. E isso representa 25% da geração de eletricidade na América. Há também a questão do trigo e do milho (Rússia e Ucrânia detêm cerca de 26% do mercado mundial). Há a questão dos fertilizantes à base de potássio (Rússia e Bielorrússia detêm cerca de 45-50% do mercado). Sem fertilizante, não haverá colheita. Há uma questão de gases inertes (neon) para a produção de microchips (90% do mercado na Rússia). A questão do paládio para os mesmos microchips, titânio para aeronaves, etc.

Ou seja, temos muitos movimentos de resposta, o principal é trabalhá-los de forma competente e sistemática, e depois em seis meses veremos quem perde mais. O Ocidente já introduziu tudo o que é possível, mas nossas contra-sanções são de natureza tardia, mas não menos perigosa, especialmente na véspera do próximo inverno.

Demiurgo russo @rus_demiurge especialmente para Druida @wisedruidd

Com informações Jornal Internacional do Putin


Gostou? Compartilhe!