Auxílio gás não paga metade do botijão em 25 estados e no DF

Gostou? Compartilhe!

Benefício de R$ 51,00 em abril não chega a 50% do valor médio de R$ 113,54 do botijão de gás de cozinha pesquisado pela ANP

O Ministério da Cidadania divulgou, na quinta-feira (14), que o valor do auxílio gás será de R$ 51 em abril – em fevereiro, a ajuda foi de R$ 52.

O número de contemplados também diminuiu. Em fevereiro, foram 5,58 milhões de famílias, no valor total de 279 milhões pagos. Agora são 5,39 milhões de famílias, sendo um total pago de R$ 275 milhões. São 190 mil beneficiários a menos no programa. E o valor total destinado ao pagamento teve a redução de R$ 4 milhões.

Caro Leitor, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo.  Precisamos de sua contribuição para manter nosso jornalismo honesto e independente. Se você puder contribuir com qualquer valor que não te fará falta, nós agradecemos. A Chave PIX Agencia MBrasil é agenciabrasilmaior@gmail.com

O pagamento do auxílio gás é bimestral e o valor corresponde a 50% da média do preço do botijão de 13 kg de gás liquefeito de petróleo (GLP), o popular gás de cozinha.

No intervalo de agosto de 2021 a abril deste ano, o preço médio do botijão disparou, segundo dados da Agência Nacional de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (ANP). No último levantamento feito pela Agência, de 3 a 9 de abril deste ano, o preço médio chegou a R$ 113,54.

O valor de R$ 51 não cobre a metade do valor do botijão de 13 kg em nenhuma unidade da federação, com exceção do Rio de Janeiro, cujo preço médio foi de R$ 101,52. Veja o valor médio do botijão de gás por unidades da federação, no período de 3 a 9 de abril:

· Acre (R$ 131,44)

· Alagoas (R$ 109,42)

· Amapá (R$ R$127,75)

· Amazonas (R$ 118,48)

· Bahia (R$ 106,43)

· Ceará (R$ 116,49)

· Distrito Federal (R$ 108,57)

· Espírito Santo (R$ 107,5)

· Goiás (R$ 122,82)

· Maranhão (R$ 118,98)

· Mato Grosso (R$ 134,71)

· Mato Grosso do Sul (R$ 112,11)

· Minas Gerais (R$ 117,11)

· Pará (R$ 122,12)

· Paraíba (R$ 116,63)

· Paraná (R$ 115,74)

· Pernambuco (R$ 104,51)

· Piauí (R$ 121,53)

· Rio de Janeiro (R$ 101,52)

· Rio Grande do Norte (R$ 120,46)

· Rio Grande do Sul (R$ 113,3)

· Rondônia (R$ 134,24)

· Roraima (R$ 125)

· Santa Catarina (R$ 123,31)

· São Paulo (R$ 111,37)

· Sergipe (R$ 109,03)

· Tocantins (R$ 124,35)

A redução de apenas 5,58% no preço do botijão de gás de cozinha anunciada pelo governo na semana passada (8) não chegou aos consumidores, e quando chegar vai ser imperceptível. Na capital paulista, o botijão de gás pode ser encontrado ao custo de R$ 130, com o valor da entrega, no bairro Bela Vista, situado na região central da capital paulista, e em vários bairros da cidade. Em 11 março a Petrobrás, com o aval do governo, havia aumentado o preço médio do botijão de 13 kg em 16,06%. Com isto, a inflação do gás de cozinha acumula alta de 29,56%, em 12 meses até março.

O gás de cozinha, a gasolina (alta de 27,48%) e do óleo diesel (alta de 46,47%) contribuíram para que os grupos da cesta de produtos pesquisada pelo IBGE também subissem, como Alimentação e bebidas ( 11,62%), Transportes (17,37%) e Habitação (15%).

Diante de todas estas pressões, o IPCA fechou em alta de 11,30% em 12 meses até março – corroendo o poder de compra das famílias, principalmente das mais carentes deste país. Neste quadro, os R$ 400 pagos para cerca de 18,02 milhões de famílias contempladas com o Auxílio Brasil viram pó.

No mês de março, o preço médio da cesta básica subiu em todas as 17 capitais brasileiras analisadas na Pesquisa Nacional da Cesta Básica do Dieese. A cesta mais cara do país foi a de São Paulo, onde o preço médio dos produtos que compõem a cesta chegou a R$ 761,19. Em seguida aparece a do Rio de Janeiro, com custo de R$ 750,71. O menor valor foi registrado em Aracaju: R$ 524,99.

Com informações a Hora do Povo


Gostou? Compartilhe!