“Inaceitável e revoltante”, reagem servidores federais à proposta de 5% de reajuste salarial

Gostou? Compartilhe!

Para entidades do funcionalismo, “5% de reajuste está muito aquém das perdas inflacionárias”

Sindicatos dos servidores reagiram, nesta quarta-feira (13), ao anúncio de que o governo irá conceder 5% de reajuste linear ao funcionalismo, a partir de julho, conforme divulgado pelo Estadão.

A decisão indignou os servidores das Carreiras de Estado, os docentes das instituições federais, auditores da Receita, os servidores do Banco Central e da Polícia Federal e poderá incendiar ainda mais o movimento em defesa de reposição salarial.

Isso porque um reajuste de 5% está longe de repor as perdas inflacionárias, que atualmente está entre 30% e 40%, afirma o presidente do Fonacate (Fórum Nacional Permanente de Carreiras Típicas de Estado), Rudinei Marques. “Recomposição de 5% é mais do que inaceitável, é revoltante”, afirma.

“Para os servidores, o ideal seria algo mais próximo aos percentuais de perda do poder aquisitivo no período. Um reajuste de 20% agora seria razoável, e a gente poderia corrigir o restante nos próximos anos”, diz Rudinei, destacando que, com essa proposta, as mobilizações dos servidores deverão aumentar nas próximas semanas.

“O índice de revisão geral 5% é muito aquém da perda inflacionária”, reforça diz Paulo Oshiro, presidente do Sindifisco Nacional de São Paulo, em declaração à Folha de S. Paulo.

Fabio Faiad, presidente do Sinal (Sindicato Nacional dos Servidores do Banco Central), afirma que “o reajuste de 5% é muito pouco, haja vista a inflação acumulada do governo Bolsonaro já ser superior a 20%. Tal proposta, se for concretizada, pode significar negociação, mas para nós é insuficiente”.

Caro Leitor, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Precisamos de sua contribuição para manter nosso jornalismo honesto e independente. Se você puder contribuir com qualquer valor que não te fará falta, nós agradecemos. A Chave PIX Agencia MBrasil é agenciabrasilmaior@gmail.com

O dirigente do Andes-SN (Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior), Amauri Fragoso de Medeiros, também considera a medida como um recuo do governo diante da pressão dos servidores e uma vitória do movimento, no entanto, “a carestia, com aumento de combustíveis e desemprego, tem prejudicado o sustento dos servidores. Estamos em pleno processo de construção de greve e isso não dá conta das nossas perdas salariais. Tenho a impressão de que os servidores irão ficar revoltados, já que 5% equivalem à inflação apenas deste ano, praticamente.”

“DECEPÇÃO”

O presidente da Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal (ADPF) também se manifestou sobre a proposta, ressaltando que, se confirmada, “será uma grande decepção para todas as categorias policiais, que vêm sofrendo diversas derrotas neste governo, além de pôr em descrédito o comprometimento do governo com a segurança pública”.

“Os delegados federais não se opõem a qualquer aumento aos servidores públicos, contudo, o presidente da República precisa honrar os compromissos assumidos publicamente. A reestruturação é condição insubstituível para valorização dos policiais federais”, afirma.

Bráulio Santiago, presidente da Unacon Sindical, que representa os servidores do Tesouro Nacional e da Controladoria-Geral da União (CGU), que também estão om greve marcada para 4 de maio, reafirma que 5% é insuficiente para repor as perdas. “O governo também não deixou claro se fará reestruturações para carreiras específicas. A gente não aceita esse desalinhamento. Vamos aumentar a mobilização”, afirma.

Para o secretário-geral da Confederação dos Trabalhadores no Serviço Público Federal (Condsef), Sérgio Ronaldo da Silva, a proposta de 5% não foi bem recebida entre os servidores, uma vez que a inflação acumulada nos três primeiros anos do governo Jair Bolsonaro (PL), que chegou a 19,9%. “A proposta do governo não é agradável porque essa decisão não contempla o conjunto do funcionalismo. Significa um quarto do que o governo nos deve. Vamos fazer uma reunião amanhã para tratar do tema. Para além dessa questão, a proposta não contempla todo o ano, apenas a partir de julho. O servidor público está em uma situação cruel e 5% não vai atender nossa necessidade”, disse.

Com informações a Hora do Povo


Gostou? Compartilhe!